Buscar: Newsletter:

Golpe

Superpedalador, comandado de Aécio impõe limite à defesa de Dilma

DO BAHIA TODO DIA 13/06/2016 | 19h37

O superpedalador Antonio Anastasia (PSDB-MG), senador cujo mandato é manietado pelo superdelatado Aécio Neves, está impondo limites à defesa de Dilma Rousseff na comissão do Senado que analisa o processo de golpe contra a presidenta eleita. Na condição de presidente do colegiado, ele tem dispensado testemunhas de defesa e negado a convocação de nomes indicados pelos advogados. 

Nesta segunda (13), mostrando que age como algoz de Dilma, atendendo interesses de seu partido, o PSDB, perdedor nas últimas quatro eleições presidenciais (2002, 2006, 2010 e 2014), Anastasia, o homem de 55 pedasladas fiscais em quatro anos como governador em Minas, não aceitou a convocação dos ex-ministros Ciro Gomes (governos Itamar e Lula) e Luiz Carlos Bresser Pereira (governo FHC). As indicações deles como testemunhas de defesa foram feitas pelo advogado da presidenta, o ex-ministro José Eduardo Cardozo. 

"A explicação é que eles não tinham relação direta com os fatos. Mas, ora, pessoas dessa natureza e tantos outros juristas que foram chamados e que podem demonstrar a inconsistência jurídica da acusação teriam de ser ouvidas. É direito da defesa que pudessem ser ouvidas. Assim, todavia, não foi admitido", afirmou Cardozo.

Na verdade, o superpedalador Antonio Anastasia, senador comandado por Aécio Neves, quis evitar que pessoas que tiveram relação direta com governos tucanos, como Ciro e Bresser, ambos ex-filiados ao partido, aparecessem como testemunhas de defesa de Dilma, o que provocaria repercussão. Isso, especialmente como Bresser Pereira, que foi ministro do núcleo duro do primeiro governo de FHC e sabe que o tucano  praticou várias pedaladas fiscais sem ser condenado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e nem sofrer processo de impeachment. 

O superpedalador Anastasia, que só faz o que manda seu chefe, o superdelatado Aécio Neves, quer também apressar o processo de impeachment. Ele sabe que quanto mais o processo se alongar no Senado mais a possibilidade do golpe ser derrotado no plenário, dado o desgaste político e de imagem do governo golpista do qual seu partido, o PSDB, faz parte. 

O advogado de Dilma protestou veementemente. "Um mandato legitimamente eleito está sendo atacado por acusações indevidas, pelo cerceamento da defesa e pela demonstração ao Brasil e ao mundo de que realmente não estamos diante de um processo de impeachment de acordo com a Constituição, mas estamos diante de um golpe de Estado", disse ele. 

Mas golpista é golpista. E o superpedalador Antonio Anastasia deu de ombros. Sob ordens de Aécio Neves, o superdelatado, que lhe comanda, cerceou o direito de defesa de Dilma.  



Bahiatododia - o site da notícia - © Copyright 2011 a 2014 | Todos os direitos reservados.